terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Jardim

Neste jardim em que há muito
Não cultivo, passo ou cuido,
Quero plantar, pôr botas
E mexer na terra,
Lançar fora
Seixos e abrolhos.
Nele quero labutar,
Reconstruir minha sebe
Ver minha gota de bile
Irrigando a terra.
Quero regá-lo pela manhã
E segá-lo com afã.
Quero levantar bem cedo,
Preparar meu espírito,
Pegar na pá e no ancinho
Cuidar do solo maninho
E não deixar que o sono
Prolongue o verão e o estio
Para despertar minha esposa
E dar bom exemplo ao meu filho.
Não quero ver de novo
O trabalho perdido,
O mato crescendo
E o espírito alquebrado
Sem saber recomeçar.
Assim quando a primavera chegar
E eu já estiver morto,
Depositem no meu túmulo
Tanta rosa e gente vingadas
Que um dia disseram fanadas.

3 comentários:

Felipe Mendonça disse...

Este é um poema sobre a esperança, de retomada e recomeço de tarefa que deixamos para trás incompleta ou inacabada. O poema pode ser lido de modo bastante pessoal, mas o seu caráter social foi o que procurei deixar em evidênica. Quando se vive no mundo da atualidade e num país da América Latina, como o Brasil, devemos sempre ter em mente que há muito o que fazer, há muito trabalho a ser realizado. O poema é um incentivo a quem deseja se engajar e retomar a tarefa de reconstrução do pais.

Marcio disse...

Querido Felipe,

Adorei tua poesia.A forma simples e bem articulada com o qual vc pinta a vida no camo e o mito de Inês de Castro é de uma qualidade ímpar. Nos conhecemos hoje no Escritório de Direitos Autorais, na FUNArte. lembra??? Gostaria de convidá-lo a visitar http://emaranhadorufiniano.blogspot.com e http://po-de-poesia.blogspot.com

Grande abraço e Boas Festas um 2010 repleto de saude, felicidade, realizações e muita inspiração e poesia.

Vamos

Marcio disse...

Querido Felipe,

Sua visita no meu blog me deixou muito contente. Fico mais feliz ainda em saber que vc gostou dos meus poemas. Será um prazer ter seus poemas no blog do Pó de Poesia. Me envie seu e-mail para poder te enviar um convite para vc postar no blog. ou então me envie seus poemas que eu mesmo posto. meu e-mail é m.jarrao@yahoo.com.br

Aguardo seu retorno

Um grande abraço

Do amigo

Marcio Rufino.